sexta-feira, 29 de abril de 2011

Brinquedos que magoam

É bom ver o sorriso de uma criança quando ela ganha um brinquedo. Mas esse sorriso pode imediatamente se transformar em decepção se aquilo que a criança comprou ou ganhou não corresponde à sua expectativa.

Há publicidades que apresentam os brinquedos em situações onde parecem se movimentar sozinhos, fazendo com que os pequenos sonhem em poder comprar um objeto que é mais do que um brinquedo, ou seja, é um amiguinho que vai brincar com eles. Ao verificar que o brinquedo não é nada daquilo que aparece no comercial, os pequenos se frustram.

Isso é mais comum do que imaginamos. Por isso, devemos estar atentos para orientar nossas crianças, esclarecendo o que de fato o brinquedo faz e, ao mesmo tempo, não deixar de denunciar os anunciantes que não se preocupam com o sentimento de seus pequenos consumidores e estão só preocupados em vender.

Recentemente, o Procon multou a Mattel pela publicidade dos brinquedos da linha Max Steel, após receber denúncia do Projeto Criança e Consumo do Instituto Alana (http://www.alana.org.br/).

Na publicidade, os brinquedos eram apresentados com movimentos que na realidade não faziam. (Veja mais no link: http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/procon-multa-mattel-em-mais-de-r-400-mil).
 
Boneco da linha Max Steel
Fonte: Google Imagens

Esse tipo de publicidade é condenada pelo Código de Defesa do Consumidor por ser abusiva, já que se aproveita da deficiência de julgamento e experiência das crianças.

Os pais, educadores e adultos em geral, que sabem que precisamos proteger nossas crianças, devem estar atentos a toda mensagem publicitária com as quais os pequenos tomam contato, para poder orientar e alertar não só sobre publicidades enganosas ou abusivas, mas também para outras questões como consumismo, valores éticos e outros.

Por: Valéria Rodrigues Garcia - Diretora de Estudos e Pesquisas