terça-feira, 2 de agosto de 2011

Dica de Leitura

capa de um livro, com um garoto segurando um bode amarrado em uma corda
Nas 32 páginas do livro “Como se fosse dinheiro” (Editora Salamandra, 2010), a autora Ruth Rocha conta a história de um garoto que recebia balas de troco na lanchonete da escola.

O Procon-SP lembra que o troco, mesmo que seja um centavo, é um direito do consumidor. Balinhas e chicletinhos fazem mal aos dentes e não podem ser tratadas como dinheiro pelo fornecedor.