segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Inmetro avalia 33 marcas de tênis: o resultado evidencia alto índice de não conformidade

diversos pares de tênis
Imagem: SXC
Para ajudar o consumidor a escolher melhor o tênis e oferecer um panorama sobre a tendência da conformidade desses calçados no mercado de consumo, o Inmetro selecionou amostras de 20 marcas de tênis, 15 delas do tipo adulto – sendo 07  para prática de esportes, principalmente corrida e 08 para uso diário – e 05 do tipo infantil.  Para escolher as marcas que fariam parte da análise o Inmetro tomou como base a freqüência com que elas apareceram nas pesquisas, considerando as marcas tradicionais ou líderes de mercado, bem como as que possuem os preços mais acessíveis.

O Inmetro também recebeu para análise 13 tênis irregulares, piratas que foram cedidas pelo Fórum Nacional de Combate à Pirataria e Ilegalidade – FNCP. Desse conjunto, 08 são para adultos e 05 infantis.

Os testes foram realizados pelo Instituto Brasileiro de Tecnologia do Couro, Calçado e Artefatos (IBTEC) que realizou três categorias de ensaios: biomecânicos (massa, distribuição de pressão, temperatura interna, amortecimento, índice de pronação e marcas e lesões); físico-químicos (possíveis danos quando submetido ao flexionamento) e substâncias restritivas (presença de ftalatos e chumbo) que será assunto de nossa próxima matéria sobre o tema.

As marcas de tênis destinados a adulto para uso diário analisadas foram:  Adidas (modelo Star 2 W); All Star (modelo CT 114); Bout´s (modelo Spiral Star); Kolosh (modelo K8071 Dakota);  Nike (modelo All Court);  Nike (modelo Shox Medallion); Rainha (Modelo Rainha SYS Hill),  Tryon (modelo Tryon Illusor) e Rainha (Modelo Rainha SYS Hill).

Em relação aos tênis adulto para atividades esportivas, foram analisadas as seguintes marcas: Asics (modelo Gel Nimbus 11),Diadora (modelo running Orbital W); Fila (modelo Power); Mizuno (modelo Wave Pro Runner), Olympykus (modelo Tera 1.0); Puma (modelo Tazon III) e Reebook (modelo Spectrum DMX).

As cinco marcas de tênis para crianças testadas pelo Instituto foram: Bibi (modelo College- 513010); Bical (modelo Colegial-256-04), Backyardigans (modelo club Baby), Junior (modelo Sapequinha – JP-900) e Pampili (modelo 197046).

O primeiro ensaio biomecânico verificou a temperatura interna do calçado. A elevação da temperatura na parte interna pode ocasionar odores, aumentar a concentração de umidade dentro do calçado, provocando a concentração de bactérias além de desconforto para o usuário, já que quanto mais alta a temperatura interna, maior será a liberação de suor pela pele. Assim, é de fundamental importância que os fabricantes produzam tênis que mantenham os pés do usuário seco, saudável e em segurança, pois um pé molhado dentro do calçado, além de ser desconfortável, também diminui a coordenação motora. Nesse item foram considerados não conformes 06 dos 08 modelos de uso diário (Adidas, All Star, Bout´s, Tryon e os Nikes nos modelos All Court e Shox Medallion) e 05 dos 07 de uso esportivo (Diadora, Fila, Mizuno, Olympykus e Puma). Os de uso infantil foram considerados todos Conformes. Os piratas, tanto para criança quanto para adulto foram consideradas Não Conformes nesse ensaio.

Outro teste realizado foi o que determina a massa do calçado. Nessa análise quanto mais leve for o calçado, mais confortável ele será. Por outro lado, quanto mais pesado, mais desconfortável. Todas as marcas de tênis adulto uso diário/lazer e de uso esportivo foram consideradas Conformes. Das 05 marcas de tênis infantil, 03 foram consideradas Não Conformes, são elas: Bibi, Junior Sapequinha e Pampili. Cabe destacar que um tênis muito pesado pode afetar o equilíbrio da criança, fazendo com que ela necessite realizar mais força para a sua locomoção.

Em relação aos tênis piratas o resultado geral foi: das 05 marcas analisadas para uso infantil, 04 foram consideradas Não Conformes e das 08 de uso adulto, 01 foi considerada Não Conforme.

Outra avaliação importante realizada pelo Inmetro se refere à distribuição da pressão plantar que verifica a distribuição do peso corporal dentro do calçado. Neste teste,  apenas um dos 33 modelos, um tênis pirata, foi reprovado. Na checagem da capacidade dos tênis de amortecer o impacto do peso do corpo sobre os pés, nenhum modelo foi reprovado. O mesmo aconteceu no teste de pronação que é o deslocamento do calcanhar quando você está caminhando. Quando esse deslocamento é muito excessivo, pode provocar rotações excessivas nas articulações do joelho.


O Instituto avaliou também a percepção do calce, que é uma avaliação qualitativa do usuário, considerando a sensação de bem estar, adaptação do calçado aos pés, flexibilidade do cabedal (parte de cima dos tênis) e do solado, além da sensação de segurança e estabilidade durante o caminhar. Após 30 minutos de marcha em esteira, todas as marcas analisadas de tênis adulto de uso diário, para esportes, e infantil foram consideradas Conformes. Dos tênis irregulares, apenas os destinados ao uso infantil apresentaram problemas nesse item. Das 05 amostras analisadas, 03 foram consideradas Não Conformes.

Para a além da percepção do consumidor em relação ao conforto oferecido pelo tênis,  também foi verificada a ocorrência de  marcas e lesões nos usuários. Para ser aprovado nesse item, o pé do usuário, após o uso do calçado, deve ter ausência total de lesões, percepção de uma ou mais áreas de pressão, sintomas de dor e/ou formação de bolhas. Nessa avaliação só uma marca de tênis adulto de uso diário/lazer foi considerada Não Conforme: a Kolosh.

É importante ressaltar que os tênis não devem provocar marcas, lesões e/ou bolhas e que seu uso deve ser percebido como “confortável” pelo usuário/consumidor. Esse ensaio reforça o bom hábito de, antes de comprar um tênis, experimentá-lo e caminhar com ele pela loja para se ter uma percepção do calce. Esse parâmetro também é importante porque contribui para a avaliação das dimensões das formas utilizadas na fabricação dos calçados, por numeração.

No ensaio físico-químico verificou-se a resistência do calçado à flexão.  Esse ensaio indica os possíveis danos quando submetido ao flexionamento, como, por exemplo, quebra da palmilha de montagem e/ou do acabamento do cabedal (parte superior do tênis), descolagem nas laterais, entre outros. Todas as marcas analisadas de tênis adulto uso diário e infantil foram consideradas Conformes nesse ensaio. Das 07 marcas analisadas de tênis adulto para uso na prática de esportes, 02 foram consideradas Não Conformes no ensaio de resistência do calçado à flexão. São elas: Diadora e Reebok.

Esse ensaio não foi realizado para todos os tênis irregulares e/ou piratas infantis devido à quantidade de amostras. As três amostras de tênis piratas infantis analisadas foram consideradas Não Conformes. Das oito amostras analisadas de tênis adulto pirata ou irregular, 06 foram consideradas Não Conformes. Foram observadas descolagem e ruptura das solas e quebra do cabedal, demonstrando que esse tipo de calçado não é resistente ao uso, ou seja, o consumidor, ao comprar um tênis pirata, sofrerá com a ruptura e/ou descolamento da sola, fazendo com que a sua vida útil seja reduzida.

Os resultados encontrados na análise de tênis demonstraram que a tendência do setor é a de estar em desconformidade com as normas técnicas de calçados vigentes.

O consumidor brasileiro deve ter em mente que, antes de adquirir um calçado esportivo, é conveniente avaliar não só características como o design, preço, marca e cor, mas, sobretudo características que lhe permita, em qualquer circunstância, proteger o seu pé sem prejudicá-lo ou causar-lhe qualquer dano. Para tanto, é necessário que o modelo do calçado esportivo escolhido seja adequado para as características intrínsecas do usuário e sua finalidade.