quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Consumidor deve ficar atento às ofertas e evitar compras por impulso na Black Friday


A chegada do 13º salário, a proximidade do Natal e a promessa de grandes promoções feita por diversos estabelecimentos para a próxima sexta-feira (23), na edição brasileira da Black Friday, são atrativos para que os consumidores tentem aproveitar os descontos sem pensar nas consequências de um mau negócio. Por isso, o Procon-SP alerta para que o consumidor use o bom senso e evite comprar o que não necessita. Veja outras dicas:


- O consumidor deve verificar os preços cobrados antes do  “grande dia”. Isto pode ser feito através dos sites das empresas que participarão da Black Friday e de outros fornecedores, inclusive na data da liquidação. Assim evita-se o risco de cair na armadilha de promoções que não serão tão vantajosas como o anunciado;

- É importante ler a política de privacidade da loja virtual para saber quais compromissos ela assume quanto ao armazenamento e manipulação de seus dados;

- O consumidor deve analisar a descrição do produto, comparar com outras marcas e certificar-se de que ele supre suas  necessidades;

- Imprimir ou salvar todos os documentos que demonstrem a compra e confirmação do pedido (comprovante de pagamento, contrato, anúncios, etc.).

Dicas de segurança

Comprar pela internet é mais rápido e cômodo, mas pode ser perigoso se o consumidor não tomar alguns cuidados. Por isso, ele deve:

- Procurar no site a identificação da loja (razão social, CNPJ, endereço, telefone e outras formas de contato além do email). Redobrar seus cuidados quando o site exibir como forma de contato apenas um telefone celular. Preferir fornecedores recomendados por amigos ou familiares ou que possuam também estabelecimentos físicos. Caso ocorra algum problema, localizar a empresa será fundamental para a solução. Se o fornecedor não possuir um SAC, é melhor escolher outro;

- Instalar programas de antivírus e o firewall (sistema que impede a transmissão e/ou recepção de acessos nocivos ou não autorizados) e os mantenham atualizados em seu computador;

- Nunca realizar transações online em lanhouses, cybercafés ou computadores públicos, pois podem não estar adequadamente protegidos.

Direitos do consumidor

O fato de a compra ser feita em uma liquidação não elimina os direitos do consumidor. Veja alguns:

- Se o empresa prometeu desconto em determinados produtos, a oferta deve ser cumprida conforme fora veiculada.

- O Código de Defesa do Consumidor estabelece prazo de 30 dias para reclamações sobre vícios aparentes ou de fácil constatação no caso de produtos não duráveis e de 90 dias para itens duráveis, contados a partir da constatação do problema;

- Produtos importados adquiridos no Brasil em estabelecimentos devidamente legalizados seguem as mesmas regras dos nacionais;

- No caso de mercadorias que necessitem ser entregues em domicilio, solicite que o prazo de entrega seja registrado na nota fiscal ou recibo. No Estado de São Paulo, a Lei 13.747/2009 , conhecida como “Lei da Entrega”, obriga as empresas a estabelecerem data e turno para a entrega de produto ou a realização de serviço ao consumidor;

- No ato da entrega, só consumidor deve assinar o documento de recebimento do produto somente após examinar o estado da mercadoria. Havendo irregularidades, estas devem ser relacionadas, justificando assim o não recebimento;

- Nas compras feitas fora do estabelecimento comercial (por telefone, em domicilio, telemarketing, catálogos, Internet etc.), o consumidor tem o prazo sete dias para desistir da compra, contados a partir da aquisição do produto ou de seu recebimento.

Em caso de dúvidas ou problemas, entre em contato com um dos canais de atendimento do Procon-SP. Na Grande São Paulo e interior você pode procurar o órgão municipal de defesa do consumidor.

O Procon-SP também realiza atendimento nos postos dos Centros de Integração da Cidadania (CIC) Norte, Leste, Oeste, São Luiz, Imigrantes e Feitiço da Vila. Veja os endereços aqui.