terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Inmetro reprova 9 de 15 banquetas e cadeiras plásticas


O Programa de Análise de Produtos do Inmetro reprovou nove das 15 banquetas e cadeiras plásticas de uso adulto e infantil testadas para o programa Fantástico, da Rede Globo. A matéria foi ao ar no último domingo. Os produtos foram submetidos a três tipos de ensaios: carregamento estático, resistência ao impacto e resistência de pernas traseiras. Foram reprovadas as banquetas plásticas de uso adulto das marcas Arplast, C&C, Plasnew e Tramontina; e as cadeiras plásticas de uso infantil Dolfin, MB, Paramount, Milplastic e Plasnew. Passaram no teste todas as quatro banquetas de uso infantil (Elka, Plasnorthon, Rischioto e Tramontina), a banqueta plástica para adulto da marca Plagon e a cadeira plástica parea crianças Marfinite.

Relatos de consumidores no banco de acidentes de consumo do instituto motivaram a análise, que teve como base a regulamentação de cadeira plástica monobloco (Portaria Inmetro nº 213, de 22 de junho de 2007).

"No que diz respeito às banquetas plásticas de uso adulto, 80% foram consideradas irregulares por apresentarem não conformidade nos ensaios de resistência de pernas traseiras e de resistência ao impacto, respectivamente", relatou André Santos, chefe da Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade.

As banquetas plásticas infantis não apresentaram irregularidades com a metodologia definida pelo Inmetro. Já os resultados encontrados nas amostras de cadeiras plásticas infantis tiveram Não Conformidade nos três ensaios: carregamento estático, resistência ao impacto e resistência de pernas traseiras.

"Considerando que o público infantil é mais vulnerável, os resultados apontam para a necessidade de uma intervenção, a fim de promover novos requisitos mínimos de segurança",  acrescentou André.

O Inmetro encaminhará os resultados da análise da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), para que normas técnicas sejam elaboradas pelas partes interessadas nas comissões de estudos especiais da Instituição. Paralelamente, o instituto realizará um estudo de impacto e viabilidade dos produtos, visando o eventual desenvolvimento de um Programa de Avaliação da Conformidade.

O que dizem as empresas

Após a conclusão dos ensaios, o Inmetro enviou cópia dos laudos de ensaios aos fabricantes que tiveram amostras de seus produtos analisadas, sendo concedido um prazo para que se manifestassem a respeito dos seus respectivos resultados.

A Dolfin afirma que tem hoje um sistema de gestão de qualidade com procedimento para cadeiras monobloco referente a requisitos técnicas da ABNT e de portaria do Inmetro. “Como o instituto ainda não havia definido se as cadeiras monobloco infantis seriam enquadradas na Norma de Brinquedos ou na Norma ABNT, a Dolfin estava aguardando esta definição”, informou em nota. E complementou: “em seu programa de Gestão de qualidade e Procedimento, a Dolfin está adequando à cadeira monobloco infantil, com a finalidade de corrigir e/ou se enquadrar nos requisitos técnicos da ABNT NBR 14776:2001 e da Portaria Inmetro n° 213 de junho de 2007,

Em nota, a Tramontina afirma que “(...) pelo fato de não existir norma técnica nacional para as banquetas, usávamos métodos de ensaios definidos internamente para analisar a resistência do produto: ensaio estático, conforme portaria Inmetro nº213/07. Mas diante da metodologia usada no Programa de Análise de Produto – Etapa de Posicionamento de fabricantes, bem como os resultados apontados do produto, adaptaremos o mais breve possível o molde para que o produto atenda os critérios apresentados no relatório de ensaio".

A C&C Casa e Construção informa que as banquetas plásticas reprovadas serão retiradas dos postos de vendas da empresa. A MB, em nota, afirmou que: “embora não existiam normas ou mesmo metodologias para o teste desse produto, o mesmo é testado internamente quanto a sua resistência e que a Plasticos MB não possui nenhum histórico de acidentes oumesmo reclamações quanto ao produto ensaiado. Sabendo desta nova metodologia, a Plasticos MB irá adequar esse produto para queo mesmo possa estar em conformidade com os testes indicados".

A Mil Plastic afirma que "(...) os produtos MilplasticCeminha e Milplastic Canoinha, cadeiras plásticas infantis sem braço, são produzidos por processo controlado de fabricação e atende às especificações definidas para estes produtos; e que atenderá integralmente os requisitos de norma brasileira, caso estabelecida, que regulamente as características de qualidade de produto e, se estabelecido, seu sistema de gestão da qualidade para o produto cadeirinha de plástico infantil".

A Plasnew informa que “está trabalhando arduamente nesses produtos (os testados e reprovados) a fim de melhorar a resistência e qualidade dos mesmos, e se compromete a fazer as devidas melhorias”. A Arqplast Plásticos e a Paramount Pláticos questionaram alguns procedimentos e avaliações do teste.