terça-feira, 14 de maio de 2013

Consórcio é opção de investimento para consumidor que não tem pressa


Em consórcio dá para comprar de carros a festas de casamento. “Ele compra uma cota de serviço em um determinado valor que ele entende que é razoável para aquele serviço que ele vai utilizar. O pai da noiva comprou uma cota de serviço pro casamento e no fim a noiva brigou com o noivo e desfez o casamento, ele pode usar para uma viagem dele, da filha, tudo o que significar serviço é permitido”, explica Vítor Cesar Bonvino, vice-presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio.
O consórcio é um sistema onde o cliente compra um produto, mas não leva nada para casa na hora. Ele compra uma cota e passa a fazer parte de um grupo.
Todos os meses o preço do produto é dividido pelo numero de participantes e é feito um sorteio. O felizardo leva o bem e continua pagando. Também é possível adiantar algumas prestações e fazer uma oferta maior. É o chamado lance. Quem oferecer mais também leva.
Uma das vantagens do consórcio é que o cotista não paga juros embutidos em um financiamento. Na mensalidade ele paga apenas as taxas de administração e de seguro. 
Para pagar um carro popular financiado em 60 meses, por exemplo, o cliente vai gastar R$ 770 por mês. Se for em consórcio, no mesmo prazo, a prestação fica em R$ 590 em média.
A desvantagem é que se o cotista não oferecer um lance nem for sorteado, vai ficar pagando sem receber o bem. Isso pode levar meses ou até anos.
O empresário Sérgio Teixeira já pesou prós e contras e acha que o consórcio é um bom negócio.  Ele já comprou moto, carro e apartamento e diz que, pra quem não tem pressa, o negócio vale a pena. “Eu tinha uma desconfiança depois quando eu comecei a conhecer e entrei, experimentei e gostei, porque é um meio fácil de ter uma poupança forçada para obter um patrimônio. Se você é contemplado, melhor ainda. Eu acho que é um custo mais barato. Se você comparar com outros meios de financiamento, que não são subsidiados, ele é um custo mais barato. Ele é uma poupança disciplinar, sem sombra de dúvida. Ao longo do tempo vai aumentando seu patrimônio e o consórcio é um meio fácil de você adquirir esse bem”.
Com o crescimento desse mercado no país, aumenta também o número de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor. A principal dica do Procon-SP  é que o cliente, antes de assinar o contrato com a administradora do consórcio, faça uma boa pesquisa sobre a empresa. “Ele deve reunir referências sobre a administradora, operadora que vai gerenciar o grupo de consórcios. Antes de efetuar qualquer pagamento, ele deve conhecer o contrato e verificar se essa administradora possui ou não reclamações nos órgãos de defesa do consumidor e como ela se comporta frente a essas reclamações”, explica Selma do Amaral, diretora de atendimento do Procon-SP.
Fonte: G1                                                              

Notas do Blog
- Não é demais alertar novamente: é bom desconfiar se o vendedor prometeu algo além do que consta no contrato, pois a contemplação só acontece por sorteio ou lance vencedor. Não existe fórmula mágica para que isso ocorra. 
- Também é importante saber que consórcio não é financiamento. É um tipo de contratação de médio a longo prazo.. Portanto se quiser ter acesso rápido ao bem, procure outras opções de negócio.